domingo, 27 de março de 2011

4ª temporada - semana 12

"Slow and steady wins the race". Poderia ser também "Sloane's Teddy wins the race", mas eu não me chamo Sloane, não tenho uma lesma chamada Teddy e ninguém está participando de nenhuma corrida. Enfim, a mensagem é que quem espera sempre alcança... NOT.

Hoje não é só um desenho. Preciso dividir umas impressões.

Prontos? Vamos lá.

Este blog é inútil.

E antes que me acusem de autocomiseração, deixe-me explicar a verdade por trás disso.

Este blog é inútil porque ele nunca se tornou o que ele deveria ter se tornado - o propósito para o qual foi criado.

Sempre que navego pelos sketchbooks de artistas que admiro, vejo experimentação, rascunhos, testes - em suma, prática para aperfeiçoar o traço e a sensibilidade. E o que estou fazendo aqui não está, em última instância, fazendo nem uma coisa nem outra.

O Projeto 52 acabou virando um blog de jobs auto-impostos. Os desenhos não estão surgindo como experimentação, mas como resposta a um brief auto-imposto que preciso matar ao longo da semana. Eu tenho que gerar um desenho por semana (foi a isso que me propus), então em algum momento (às vezes bem tardio, como o desta semana) eu paro, escolho um desenho, executo e "dou a tarefa como resolvida". São desenhos resolvidos (uns mais que outros, é verdade, mas de qualquer modo, resolvidos), e não algo criado de forma livre para ver onde vai parar.

Isso faz com que cada um dos desenhos tenha sido uma resposta, e não uma proposta. E isso, acreditem, faz toda diferença.

Meu traço não melhorou. Meu estilo não se desenvolveu. Na prática, eu não sou um desenhista melhor por causa do que estou fazendo, e sim apenas um cara que a cada semana está conseguindo bem ou mal matar um job. E não foi para isso que eu criei esse blog.

Mesmo a parte da disciplina não se concretizou de forma plena. A primeira temporada foi interrompida na metade (Semana 25) porque uma enxurrada de problemas pessoais e profissionais me atropelaram e não consegui segurar a onda. Mea culpa. A duras penas consegui fechar as 52 imagens da 2ª temporada (os desenhos do Molesquine pequeno, que acabou sendo perdido posteriormente). A 3ª foi de pior desempenho: só chegou a 16 semanas. Ironicamente, foi a que teve mais trabalhos de desenho livre (vide semanas 10 e 12). 2010 passou praticamente em branco, e agora, em 2011, tenho conseguido alguns trabalhos esteticamente satisfatórios mas vazios de alma.

Sei que isso tudo é reflexo de crises internas. Crises profissionais e vocacionais, desencadeadas principalmente após vários acontecimentos em 2007. Sempre pensei em mim como um desenhista, e hoje consigo entender que nunca fui um desenhista, mas sim um cara que desenhava (o que não é a mesma coisa). Sempre me enxerguei como alguém que produzia coisa, e ultimamente percebi que sou mais consumidor de criações, e que conhecer e gostar muito de música, quadrinhos, ilustrações e cinema não faz de mim um músico, um quadrinista, um ilustrador ou um cineasta.

Preciso voltar a ter rédeas de minha vocação. Este ano está sendo caótico, surreal, transitório, iconoclasta, estressante, desafiador e inesperado. Sei também que é um ano decisivo em muitos aspectos, e que isso vai exigir de mim várias resoluções que vão afetar meus próximos anos. Não sei como tudo vai se desenrolar, mas os limões estão aí e preciso resolver se vão virar colírios ou caipirinhas.

Nada disso significa que eu vá parar com o projeto 52. Não posso. Tenho uma obrigação moral comigo mesmo de manter um mínimo de promessas até o fim, de tentar prestar contas à proposta de disciplina que lavrei naquele post no início de 2007. Se não por mais nada, preciso manter pelo menos o compromisso de continuar a fazer uma tarefa semanal, de mostrar que posso fazer algo de certo. Mas eu não poderia continuar a fazê-lo cerrando os olhos para a verdade que reitero aqui semanalmente.

Torçam por mim. E continuem vindo :)

3 comentários:

Delamare disse...

... não tou dizendo que quando eu falo alguma coisa ninguém presta atenção? :)

Douglas Reis disse...

Hahaha! Esse autopost ai foi foda... Mas então, esse lance de se sentir meio amarrado e de às vezes conseguir dar uma volta por cima e fazer algo que traga realmente mais que satisfação (coisa rara), ver a evolução acontecendo, parecem ser mesmo constantes. Atire a primeira pedra quem nunca se forçou a produzir. Tem dias que as coisas fluem com uma naturalidade... E tem dias que nem passando 24 horas tentando algo de bom sai. Fazer o que... Somos mesmo reféns de forças internas misteriosas.

Isso não quer dizer que o blog seja inútil. Na boa, acho que mesmo essa questão de tudo ter a cara de um job que precise ser fechado faz com que algo de bacana nisso tudo aconteça. Pode ser a munição pra algo maior no futuro. Para a descoberta de alguns temas que você curta mais que outros. Para experimentar materiais diferentes. O lance é não parar, não ser vencido pelo cansaço, :) Continue fazendo os desenhos, continue persistindo. Estaremos por aqui sempre de olho no que for postando. Vai ver, uma hora as coisas vão fluir! o/

Douglas Reis disse...

Ah, e o caramujo ficou uma graça! E o lápis azul mágico segue firme e forte hein! Depois queria ver se rola de mostrar algumas coisas do projeto do tcc na quinta. Mas depois falo contigo, blz?

Abrass!